Cushman & Wakefield

Cushman & Wakefield aumenta o desempenho e a segurança da rede global com a plataforma de borda Aruba EdgeConnect SD-WAN e SASE entregue na nuvem da Zscaler

  • Perfil do cliente

    A Cushman & Wakefield está entre as maiores empresas de serviços imobiliários do mundo, com aproximadamente 50 mil funcionários em 400 escritórios e 60 países. Em 2020, a empresa teve uma receita de US$ 7,8 bilhões com seus principais serviços de imóveis, instalações e gestão de projetos, leasing, mercado de capitais, avaliação e outros.
    • Vertical: Serviços imobiliários
    • Local: Chicago, Illinois, Estados Unidos
    • Porte do cliente: aproximadamente 50 mil funcionários em 400 escritórios em todo o mundo

    Caso de uso

    Acelere o desempenho do aplicativo e melhore a qualidade da experiência para usuários finais globais ao eliminar o tráfego de backhaul de filiais em circuitos MPLS caros

    Requisitos

    • Conectar filiais globais de forma segura e direta à nuvem
    • Oferecer desempenho previsível e consistente de aplicativos em todo o mundo
    • Permitir uma aplicação consistente da política de segurança
    • Fornecer priorização de tráfego por meio do reconhecimento de aplicativos com base na necessidade de negócios

    Resultados

    • Melhor desempenho do aplicativo em 35% em média
    • Produz economias de OpEx de US$ 1,5 milhão por ano
    • Aumento da usabilidade do aplicativo em 25%, melhorando a produtividade e a qualidade da experiência do usuário final
    • Fornecimento de aplicação consistente de políticas de segurança em todos os locais do globo
    • Permite liberação local de aplicativos de nuvem e SaaS em filiais

    A Cushman & Wakefield cresceu exponencialmente por meio de fusões e aquisições, que geraram complexidade na rede de longa distância (WAN). Todo o tráfego de aplicativos foi transferido para data centers regionais, tornando a WAN um grande gargalo, o que resultou em um desempenho lento do aplicativo e uma experiência ruim para o usuário final.

    A solução foi uma estratégia que prioriza a nuvem, liderada por SD-WAN. Chris Butcher, arquiteto de plataforma para redes globais, nuvem e segurança de perímetro, explica: "A SD-WAN pode conectar todas as nossas filiais de forma segura e direta à nuvem, com resiliência total e garantia de desempenho previsível e consistente dos aplicativos. Fez todo sentido para os negócios”.

    Habilitação de uma arquitetura com reconhecimento de aplicativos

    A Cushman & Wakefield analisou várias soluções SD-WAN, mas a plataforma de borda SD-WAN Aruba EdgeConnect se destacou das outras ao permitir uma arquitetura WAN orientada para os negócios, um requisito estratégico fundamental.

    Butcher observou: “Em uma rede moderna, não se trata apenas de conectividade, trata-se de fornecer priorização e tomada de decisão sobre para onde se envia o tráfego com base em requisitos específicos de aplicativos. Ter uma plataforma SD-WAN com reconhecimento de aplicativos na borda nos permite alinhar de forma robusta nossa rede com nossos requisitos de negócios”.

    Padronização do EdgeConnect em todo o mundo

    A empresa implantou a plataforma EdgeConnect em 220 locais de negócios (totalizando 377 dispositivos EdgeConnect com alguns sites configurados para alta disponibilidade) incluindo todas as filiais e oito data centers em quatro regiões do mundo. O MPLS está sendo desativado e substituído por links de banda larga dupla terminados em cada dispositivo EdgeConnect.

    A plataforma EdgeConnect agora é a solução padrão de borda WAN da Cushman & Wakefield, fornecendo roteamento baseado em aplicativos, filtragem de tráfego e recursos abrangentes de SD-WAN como condicionamento de caminho, qualidade de serviço (QoS) e controle de caminho dinâmico. A empresa também aproveita o pacote opcional de otimização de desempenho de WAN Aruba Boost para acelerar aplicativos em todos os continentes.

    Segurança fornecida pela nuvem para liberação da internet local

    A Cushman & Wakefield também construiu uma borda de serviço de acesso seguro (SASE), utilizando a integração automatizada entre a plataforma EdgeConnect e a segurança fornecida pela nuvem da Zscaler. Isso fornece a cada local um acesso à internet e aplica controles de segurança ao fluxo de tráfego.

    Por exemplo, aplicar políticas de QoS no EdgeConnect e controles de segurança na Zscaler significa que aplicativos críticos em tempo real, plataformas SaaS e aplicativos hospedados em data centers têm prioridade sobre outros tráfegos, como serviços de streaming de mídia, que poderiam consumir a largura de banda dos circuitos das filiais.

    Além disso, ao consolidar a plataforma EdgeConnect para habilitar uma arquitetura SASE com segurança fornecida pela nuvem da Zscaler, a Cushman & Wakefield espera uma economia de OpEx de US$ 1,5 milhão por ano.

    Alinhamento dos recursos de rede com os requisitos do aplicativo

    Por meio do console de gerenciamento do Aruba Orchestrator, Butcher e sua equipe configuram e definem centralmente sobreposições de intenção comercial para diferentes classes de aplicativos, cada um com uma política de QoS específica para garantir que cada classe de aplicativo receba os recursos de rede necessários para um desempenho ideal.

    Por exemplo, o Skype for Business e o Microsoft Teams são classificados como “tempo real” e recebem prioridade máxima para a liberação da internet local. Aplicativos de negócios críticos, como SharePoint, Office 365 e outros aplicativos SaaS normalmente usados, são classificados como “SaaS”, que recebem a próxima prioridade mais alta. Os aplicativos menos críticos se enquadram na sobreposição de intenção comercial classificada como "padrão".

    Orquestração centralizada simplifica o controle de tráfego

    A orquestração centralizada fornecida pelo Orchestrator também permite que Butcher direcione o tráfego de forma dinâmica e aplique políticas de segurança consistentes por classe de aplicativo.

    Por exemplo, os túneis IPsec são configurados automaticamente para rotear aplicativos SaaS confiáveis e da internet para inspeção por meio da borda de serviço de acesso seguro para a Zscaler Enforcement Zone (ZEN) que está mais próxima de cada filial para inspeção de segurança. Da mesma forma, o tráfego do Microsoft Office 365, Skype for Business, Microsoft Teams e SharePoint é dividido diretamente das filiais para a instância mais próxima do aplicativo da Microsoft.

    Butcher diz: “Podemos definir classes de aplicativos e políticas de segurança de forma centralizada, permitindo que os dispositivos EdgeConnect tomem decisões inteligentes sobre como rotear o tráfego de maneira ideal. Assim, conseguimos entrar nas redes de backbone do provedor no ponto de entrada mais próximo de cada local, melhorando o desempenho do aplicativo e a qualidade da experiência do usuário final”.

    De fato, esse controle cuidadosamente orquestrado do fluxo de tráfego e a priorização de aplicativos, combinado com a otimização de rede SD-WAN, melhorou o desempenho dos aplicativos em 35% em média.

    Impulsionamento maior da produtividade e da satisfação do cliente

    Com um único clique no Orchestrator, Butcher e sua equipe também podem aplicar seletivamente a otimização da WAN pelo Boost, seja para classes de aplicativos específicos, seja para locais em que a latência é um problema devido à longa distância.

    Butcher comenta: “Com o Aruba Boost, superamos as dificuldades de latência para acessar aplicativos em todos os continentes com uma melhoria de 25% na usabilidade do aplicativo. Isso nos permite oferecer a melhor experiência possível de usuário”.

    Resiliência garantia de rede mantém os negócios em funcionamento

    Butcher acrescenta que a redundância de link e o failover de menos de um milissegundo entre os links garantem que os aplicativos permaneçam funcionando mesmo se um dos links apresentar congestionamento, queda de energia ou indisponibilidade total.

    “O EdgeConnect fez um trabalho incrível ao manter nossos aplicativos em execução e garantir que a empresa não enfrentasse nenhum problema técnico nos serviços de transporte subjacentes”, diz ele. “Porém, não estou preocupado apenas com a manutenção da conexão de rede. Também estou preocupado com o desempenho dos aplicativos. É por isso que nos concentramos tanto na execução dos aplicativos.”

    A razão é que o desempenho do aplicativo afeta diretamente a qualidade da experiência e a produtividade do usuário final, o que, em última análise, impacta a satisfação do cliente.

    Butcher conclui: “Ao utilizar a plataforma de borda EdgeConnect SD-WAN, a Cushman & Wakefield colabora de forma eficaz e eficiente entre as regiões para atender nossos clientes multinacionais de uma maneira verdadeiramente global”.

    Leia mais

    Podemos definir classes de aplicativos e políticas de segurança de forma centralizada, permitindo que os dispositivos EdgeConnect tomem decisões inteligentes sobre como rotear o tráfego de maneira ideal. Assim, conseguimos entrar nas redes de backbone do provedor no ponto de entrada mais próximo de cada local, melhorando o desempenho e a qualidade do aplicativo.
    Chris Butcher, arquiteto de plataforma para redes globais, segurança de perímetro e nuvem, Cushman & Wakefield
  • Perfil do cliente

    A Cushman & Wakefield está entre as maiores empresas de serviços imobiliários do mundo, com aproximadamente 50 mil funcionários em 400 escritórios e 60 países. Em 2020, a empresa teve uma receita de US$ 7,8 bilhões com seus principais serviços de imóveis, instalações e gestão de projetos, leasing, mercado de capitais, avaliação e outros.
    • Vertical: Serviços imobiliários
    • Local: Chicago, Illinois, Estados Unidos
    • Porte do cliente: aproximadamente 50 mil funcionários em 400 escritórios em todo o mundo

    Caso de uso

    Acelere o desempenho do aplicativo e melhore a qualidade da experiência para usuários finais globais ao eliminar o tráfego de backhaul de filiais em circuitos MPLS caros

    Requisitos

    • Conectar filiais globais de forma segura e direta à nuvem
    • Oferecer desempenho previsível e consistente de aplicativos em todo o mundo
    • Permitir uma aplicação consistente da política de segurança
    • Fornecer priorização de tráfego por meio do reconhecimento de aplicativos com base na necessidade de negócios

    Resultados

    • Melhor desempenho do aplicativo em 35% em média
    • Produz economias de OpEx de US$ 1,5 milhão por ano
    • Aumento da usabilidade do aplicativo em 25%, melhorando a produtividade e a qualidade da experiência do usuário final
    • Fornecimento de aplicação consistente de políticas de segurança em todos os locais do globo
    • Permite liberação local de aplicativos de nuvem e SaaS em filiais

    A Cushman & Wakefield cresceu exponencialmente por meio de fusões e aquisições, que geraram complexidade na rede de longa distância (WAN). Todo o tráfego de aplicativos foi transferido para data centers regionais, tornando a WAN um grande gargalo, o que resultou em um desempenho lento do aplicativo e uma experiência ruim para o usuário final.

    A solução foi uma estratégia que prioriza a nuvem, liderada por SD-WAN. Chris Butcher, arquiteto de plataforma para redes globais, nuvem e segurança de perímetro, explica: "A SD-WAN pode conectar todas as nossas filiais de forma segura e direta à nuvem, com resiliência total e garantia de desempenho previsível e consistente dos aplicativos. Fez todo sentido para os negócios”.

    Habilitação de uma arquitetura com reconhecimento de aplicativos

    A Cushman & Wakefield analisou várias soluções SD-WAN, mas a plataforma de borda SD-WAN Aruba EdgeConnect se destacou das outras ao permitir uma arquitetura WAN orientada para os negócios, um requisito estratégico fundamental.

    Butcher observou: “Em uma rede moderna, não se trata apenas de conectividade, trata-se de fornecer priorização e tomada de decisão sobre para onde se envia o tráfego com base em requisitos específicos de aplicativos. Ter uma plataforma SD-WAN com reconhecimento de aplicativos na borda nos permite alinhar de forma robusta nossa rede com nossos requisitos de negócios”.

    Padronização do EdgeConnect em todo o mundo

    A empresa implantou a plataforma EdgeConnect em 220 locais de negócios (totalizando 377 dispositivos EdgeConnect com alguns sites configurados para alta disponibilidade) incluindo todas as filiais e oito data centers em quatro regiões do mundo. O MPLS está sendo desativado e substituído por links de banda larga dupla terminados em cada dispositivo EdgeConnect.

    A plataforma EdgeConnect agora é a solução padrão de borda WAN da Cushman & Wakefield, fornecendo roteamento baseado em aplicativos, filtragem de tráfego e recursos abrangentes de SD-WAN como condicionamento de caminho, qualidade de serviço (QoS) e controle de caminho dinâmico. A empresa também aproveita o pacote opcional de otimização de desempenho de WAN Aruba Boost para acelerar aplicativos em todos os continentes.

    Segurança fornecida pela nuvem para liberação da internet local

    A Cushman & Wakefield também construiu uma borda de serviço de acesso seguro (SASE), utilizando a integração automatizada entre a plataforma EdgeConnect e a segurança fornecida pela nuvem da Zscaler. Isso fornece a cada local um acesso à internet e aplica controles de segurança ao fluxo de tráfego.

    Por exemplo, aplicar políticas de QoS no EdgeConnect e controles de segurança na Zscaler significa que aplicativos críticos em tempo real, plataformas SaaS e aplicativos hospedados em data centers têm prioridade sobre outros tráfegos, como serviços de streaming de mídia, que poderiam consumir a largura de banda dos circuitos das filiais.

    Além disso, ao consolidar a plataforma EdgeConnect para habilitar uma arquitetura SASE com segurança fornecida pela nuvem da Zscaler, a Cushman & Wakefield espera uma economia de OpEx de US$ 1,5 milhão por ano.

    Alinhamento dos recursos de rede com os requisitos do aplicativo

    Por meio do console de gerenciamento do Aruba Orchestrator, Butcher e sua equipe configuram e definem centralmente sobreposições de intenção comercial para diferentes classes de aplicativos, cada um com uma política de QoS específica para garantir que cada classe de aplicativo receba os recursos de rede necessários para um desempenho ideal.

    Por exemplo, o Skype for Business e o Microsoft Teams são classificados como “tempo real” e recebem prioridade máxima para a liberação da internet local. Aplicativos de negócios críticos, como SharePoint, Office 365 e outros aplicativos SaaS normalmente usados, são classificados como “SaaS”, que recebem a próxima prioridade mais alta. Os aplicativos menos críticos se enquadram na sobreposição de intenção comercial classificada como "padrão".

    Orquestração centralizada simplifica o controle de tráfego

    A orquestração centralizada fornecida pelo Orchestrator também permite que Butcher direcione o tráfego de forma dinâmica e aplique políticas de segurança consistentes por classe de aplicativo.

    Por exemplo, os túneis IPsec são configurados automaticamente para rotear aplicativos SaaS confiáveis e da internet para inspeção por meio da borda de serviço de acesso seguro para a Zscaler Enforcement Zone (ZEN) que está mais próxima de cada filial para inspeção de segurança. Da mesma forma, o tráfego do Microsoft Office 365, Skype for Business, Microsoft Teams e SharePoint é dividido diretamente das filiais para a instância mais próxima do aplicativo da Microsoft.

    Butcher diz: “Podemos definir classes de aplicativos e políticas de segurança de forma centralizada, permitindo que os dispositivos EdgeConnect tomem decisões inteligentes sobre como rotear o tráfego de maneira ideal. Assim, conseguimos entrar nas redes de backbone do provedor no ponto de entrada mais próximo de cada local, melhorando o desempenho do aplicativo e a qualidade da experiência do usuário final”.

    De fato, esse controle cuidadosamente orquestrado do fluxo de tráfego e a priorização de aplicativos, combinado com a otimização de rede SD-WAN, melhorou o desempenho dos aplicativos em 35% em média.

    Impulsionamento maior da produtividade e da satisfação do cliente

    Com um único clique no Orchestrator, Butcher e sua equipe também podem aplicar seletivamente a otimização da WAN pelo Boost, seja para classes de aplicativos específicos, seja para locais em que a latência é um problema devido à longa distância.

    Butcher comenta: “Com o Aruba Boost, superamos as dificuldades de latência para acessar aplicativos em todos os continentes com uma melhoria de 25% na usabilidade do aplicativo. Isso nos permite oferecer a melhor experiência possível de usuário”.

    Resiliência garantia de rede mantém os negócios em funcionamento

    Butcher acrescenta que a redundância de link e o failover de menos de um milissegundo entre os links garantem que os aplicativos permaneçam funcionando mesmo se um dos links apresentar congestionamento, queda de energia ou indisponibilidade total.

    “O EdgeConnect fez um trabalho incrível ao manter nossos aplicativos em execução e garantir que a empresa não enfrentasse nenhum problema técnico nos serviços de transporte subjacentes”, diz ele. “Porém, não estou preocupado apenas com a manutenção da conexão de rede. Também estou preocupado com o desempenho dos aplicativos. É por isso que nos concentramos tanto na execução dos aplicativos.”

    A razão é que o desempenho do aplicativo afeta diretamente a qualidade da experiência e a produtividade do usuário final, o que, em última análise, impacta a satisfação do cliente.

    Butcher conclui: “Ao utilizar a plataforma de borda EdgeConnect SD-WAN, a Cushman & Wakefield colabora de forma eficaz e eficiente entre as regiões para atender nossos clientes multinacionais de uma maneira verdadeiramente global”.

    Podemos definir classes de aplicativos e políticas de segurança de forma centralizada, permitindo que os dispositivos EdgeConnect tomem decisões inteligentes sobre como rotear o tráfego de maneira ideal. Assim, conseguimos entrar nas redes de backbone do provedor no ponto de entrada mais próximo de cada local, melhorando o desempenho e a qualidade do aplicativo.
    Chris Butcher, arquiteto de plataforma para redes globais, segurança de perímetro e nuvem, Cushman & Wakefield
Feedback